Pausa para almoçar. Agora, em bom.

À MESA COM

Mafalda Antunes

Mafalda Antunes, 38 anos, criou a marca PrettyFit onde produz programas de treino personalizado e emagrecimento. É umas das principais especialistas em treino pré e pós-parto e ainda tem tempo para ser formadora e leciona workshops relacionados com treino, alimentação saudável e bem estar. Abriu-nos as portas de sua casa (e do seu frigorífico) para nos explicar como é fácil conciliar uma vida activa e saudável com quatro filhas e um marido.

O que é um dia normal na tua vida? 
Acordo muito cedo perto das 6h da manhã. Dou de comida às bebés, preparo-me e vou treinar. Começo a dar treinos às 7h, todos os dias, até à hora de almoço. Regra geral, almoço em casa e durante a tarde tento rentabilizar o meu tempo ao máximo entre ir buscar as miúdas à escola, brincar, dar banho a todas e preparar o jantar. Não gosto de sentir que o final da tarde - horário nobre em família - é desperdiçado com coisas operacionais como trânsito ou uma ida ao supermercado. 

Fala-nos sobre o teu percurso profissional? 
Sou licenciada em ciências do desporto e comecei a trabalhar muito cedo. Fui diretora técnica de uma grande cadeia de ginásios e proprietária de duas unidades de uma rede de franchising. Sempre estive ligada à formação de profissionais na área de exercício e saúde. Desde 2015 que fez sentido para mim desenvolver a minha marca pessoal enquanto coach e personal trainer. Sou certificada em coaching, tenho formação em aconselhamento alimentar e adoro pessoas. 

Adoro observar pessoas, o relacionamento que têm com o seu corpo e a forma como estão diz muito sobre si próprias.

O meu objetivo é sem dúvida inspirar quem me segue a ter hábitos de vida e alimentação saudável de forma a que se sintam felizes. Não passa por ter aquela sensação castradora de ser saudável tendo por base uma alimentação condicionada e sem sabor. Isso é um mito que é importante quebrar. Devemos ter prazer, e a alimentação é um momento muito poderoso para nos transformar fisicamente e tem um impacto gigante no mundo. 
 
O exercício físico é outro pilar muito importante para a saúde. Acredito mesmo que daqui a uns tempos o exercício será como os hábitos de higiene. Há algumas décadas era impensável termos 30 minutos para a nossa higiene pessoal diária, motivo pelo qual, milhares de pessoas morriam de doenças contagiosas. Hoje em dia, é ainda pouco comum para muitas pessoas terem 30 minutos de exercício físico diário e, portanto, têm maior probabilidade de morrer de doenças crónicas que são prevenidas com exercício físico regular e alimentação variada e natural.

O que te levou a criar uma marca em nome próprio? 
Não era uma coisa que tivesse premeditado. Fui me apercebendo que enquanto PT as pessoas gostavam e queriam treinar com a Mafalda. “Este ginásio é diferente dos outros porque tem os treinos da Mafalda”. Aos poucos percebi que a “Mafalda” não era apenas uma profissional, a “Mafalda” tinha potencial para ser uma marca e não estava a ser aproveitada. 
 
Começou a deixar de fazer sentido estar num ginásio limitada a uma zona geográfica e a um horário fixo. As redes sociais têm sido as minhas maiores aliadas para impactar uma audiência que não dependente que eu vá ao ginásio X ou Y durante uma hora ou duas. Eu quero que as pessoas me procurem como uma referência para se sentirem autónomas e seguras na atividade física que incutem no seu dia-a-dia e das suas famílias, de uma forma muito mais genérica e não tão limitativa geograficamente.
 
O que tomas ao pequeno almoço? 
Na minha alimentação tento que não haja monotonia alimentar. Cá em casa não comemos todos os dias uma torrada e café com leite ao pequeno almoço, tentamos variar ao máximo. Até porque fazer ovos mexidos demora o mesmo tempo que fazer uma torrada. Ovos mexidos com tomate ou presunto, iogurte com fruta, granola caseira, panquecas com manteiga de amêndoa são as escolhas mais frequentes.
 
Que cuidados tens com a alimentação? 
Tento que seja o mais natural possível baseada em plantas, carne, peixe, ovos, fruta, legumes, leguminosas, frutos secos, óleos de origem biológica e produtos da época.
 
O que tens sempre no frigorífico? 
Tenho sempre hortofrutícolas da época. 
 
E o que nunca tens? 
Leite. Nunca tenho leite de vaca. Na minha opinião não é um alimento interessante e temos excelentes alternativas: bebida de arroz, de amêndoa, sem açúcares naturalmente presentes.
 
Com duas crianças e duas bebés em casa, fazes alguma adaptação às vossas refeições? 
A alimentação aqui em casa é igual para todos, inclusive para as bebés.  Aquilo que não comem são coisas naturalmente próprias da idade pelo facto de ainda não terem dentes. Ainda não comem coisas sólidas por exemplo, mas é apenas essa limitação. Para as bebés não lhes dou papas de farinha ensacadas. As nossas papas são de batata doce com maçã, aveia com cenoura e kiwi, abacate com banana. Se for ovos de tomatada ao jantar com manjericão, beringela e queijo parmesão a família come toda o mesmo. Se o almoço for húmus de beterraba com uma sopa de feijão e uma salada verde, não há diferença. 
 
A melhor receita para fazer em 5 minutos.
Ovos mexidos com couve kale salteada em azeite, tomate cherry e flor de sal.
 
A melhor receita para dar as boas vindas ao outono.
Panquecas com fruta e manteiga de amêndoa caseira.
 
Uma tendência que não passou de isso mesmo. 
Os sumos detox. Todo o conceito de detox só serve para “baralhar” quando a pessoa quer à partida fazer uma desintoxicação a nível alimentar por ter cometido excessos. Ou seja, o organismo já está ressentido do que consumiu e voltará a ficar com toda a privação que lhe será impingida para “solucionar” o problema. Outro ponto, é o facto de um sumo retirar da fruta tudo aquilo que tem de interessante em termos de fibras e isolar o açúcar que, apesar da frutose ser um açúcar natural, continua a ser uma propriedade que irá sobrecarregar o metabolismo, havendo um estímulo de produção de insulina no pâncreas elevadíssimo. 

 

Sabias que quando produzimos insulina é igual para uma bola de berlim ou para uma banana? O impacto em termos de quantidade de açúcar, não ao nível da qualidade.


Portanto, desintoxicar o organismo baralhando mais o sistema em vez de calmamente voltar a uma alimentação natural com escolhas saudáveis, dando-lhe uma rotina com variedade alimentar, não faz sentido. Infelizmente acho que esta tendência não está assim tão ultrapassada.
 
Uma tendência que veio para ficar (e ainda bem).
O alerta dos produtos bio e dos alimentos sem glúten por nos levar a estar mais próximos daquilo que é a forma correta de nos alimentarmos. Sendo que por vezes podem ser temas tricky. Há uma ideia pré-concebida de que se é biológico é saudável, se é sem glúten então faz bem, e depois temos produtos sem glúten muito açucarados e produtos biológicos com ingredientes que não contribuem em nada para o nosso organismo.
 
O teu top 5 de pratos preferidos.
Caril de lentilhas com cogumelos shitake e courgete, almôndegas de lentilhas com macadâmias e leite de coco, ovos de tomatada com manjericão, gelados de fruta e adoro chocolate. Com mais de 70% de cacau, com picante, com sal ou gengibre. 
 
Podes não ter tempo para mais nada, mas não abdicas de...
Da minha família. No meu dia, temos de ter tempo para estarmos os 6 e acredita que é um desafio. 
 
O futuro da alimentação. Em bom.
Comer comida de verdade. Coisas que foram feitas para comer e não inventar.
 
As tuas maiores inspirações?
Eles os 5 (o marido e as 4 filhas). 
 
Planos para o futuro? 
Este ano foi um ano de transição, muita novidade com o nascimento das gémeas, mas o próximo passo é pôr a família toda a viajar. É uma experiência que nós queremos mesmo muito ter e depois escrever um livro. Já tenho muita coisa para pôr em papel.
 
E da marca? 
Ter os meus programas disponíveis para quem está longe e não tem possibilidade de os fazer presencialmente. É uma coisa que as pessoas pedem cada vez mais. Fazer programas online com os vídeos, as aulas e espaço para esclarecer dúvidas. Não só de plano de exercício, mas também a nível alimentar.
 
A pergunta que te fazem com maior frequência?
Como é que eu posso emagrecer?
 
E achas que essa é a pergunta que devem fazer? 
Não. Sem dúvida. Acima de tudo, deviam questionar-se a si próprias: 
 

O que é que fazem todos os dias, de forma regular e consistente, para se verem e sentirem como querem.


Aquilo que representa cada um. Até porque eu não quero reduzir esta resposta ao emagrecimento porque, felizmente, hoje em dia as pessoas procuram cada vez mais o exercício por questões de saúde e não só por questões estéticas. 

Este site usa cookies para recolher informações que ajudarão a optimizar a tua visita. Consulta as informações sobre o uso de cookies na nossa Política de cookies. Ao continuar a usar o nosso site, aceitarás a nossa política de cookies. ACEITO