Pausa para almoçar. Agora, em bom.

À MESA COM

Sofia Paixão

"O meu nome é Sofia Paixão, tenho quatro filhos, e uma das minhas grandes paixões, para além de cantar, é cozinhar."  É assim que se apresenta na sua plataforma, Glúten Free com Paixão, e é assim que se apresenta quando nos recebe no seu espaço cheio de luz e de coisas boas.

Sofia Paixão é uma mulher tranquila, ponderada, serena. Sente-se que está exactamente onde gostaria de estar e que faz exactamente aquilo que deveria estar a fazer - mais do que um blog, o Glúten Free com Paixão é hoje uma plataforma de partilha e entrega, e o responsável pela sua realização pessoal e satisfação profissional.

"Sou uma pessoa que gosto de cantar, de me divertir, de cozinhar, e gosto que tudo isto se englobe na mesma forma de estar. Gosto de trabalhar em algo que me apaixone e que me permita ajudar os outros."

Formada em Gestão e Marketing, Sofia trabalhou muitos anos numa multinacional como gestora de produto. Depois de ter o segundo filho, percebeu que queria afastar-se da carreira que tinha delineado até então e que queria dedicar-se à alta cozinha. Inscreveu-se na Escola de Turismo e Hotelaria do Estoril e começou a Licenciatura em Produção Alimentar – um curso de chef que engloba todas as áreas da restauração, da higiene à pastelaria à padaria - que acabaria por colocar em pausa no 3º ano.

"Foi bom porque aprendi as bases, as técnicas, mas queria mais - queria a parte saudável, perceber porquê."
Estávamos nos anos 2000, já começavam a surgir  preocupações com a alimentação saudável, em parte devido ao trabalho de Jamie Oliver, e Sofia queria aprender a fundo. Pesquisou muito, explorou cozinhas alternativas, testou muita coisa... e, em 2009, descobriu que era intolerante ao glúten.

"Tinha enxaquecas, rinites, dores de barriga e sentia-me muitas vezes inchada. Para além disso, estava muitas vezes doente - o que começava com alergias transformava-se em dores de garganta com muita frequência... Nessa altura, uma cunhada minha descobriu que era celíaca e eu comecei, naturalmente, a desenvolver receitas para ela. Como era eu que as testava, comecei a eliminar o glúten da minha alimentação sem querer, e comecei a perceber que me sentia melhor." 

Rapidamente fez uma análise de intolerâncias alimentares e percebeu que 3 dos produtos a que era intolerante tinham glúten - ao fazer uma dieta de eliminação desta substância, descobriu que tinha um problema de intolerância e decidiu deixar de consumi-la em 2009. É daqui que nasce o Glúten Free com Paixão.


"Em 2009 não havia nada desta febre do glúten - nem existiam muitas opções no supermercado nem havia muita informação para alguém que, como eu, tinha acabado de decidir fazer uma mudança. Por isso, decidi começar a partilhar o que sabia, o que fazia, o que experimentava."

Não compra coisas pré-feitas nem comida processada - sempre se habituou a fazer tudo em casa e por isso, quando deixou de consumir glúten, bastou adaptar-se. Tinha a base de cozinha - toda a técnica - mas faltava-lhe a outra parte, de nutrição, de perceber porquê. "Tinha de estar confortável com o porquê, com os fundamentos, e por isso fiz um curso de Health Coach que nos dá uma abordagem de tudo isto de uma forma holística - para além de comer bem, temos de estar bem. Depois disso fiz o blog, continuei a estudar - gosto muito de estudar e de ensinar, que é o que faço hoje - e a aprofundar esta área, tanto nos workshops como no coaching. Os cursos enveredaram para uma área mais vegetariana e vegan."


"Não sou vegan nem gosto de rótulos - só não como glúten - mas o que gosto mesmo de cozinhar são vegetais."

Durante a semana, está no estúdio das 09:00 às 18:00, a trabalhar quer para o seu site, quer para outras marcas - faz e vende algumas receitas. Faz cursos, estuda, faz sessões de coaching, workshops, show cooking...

"É isto que me motiva, o ser todos os dias diferente. O coaching que eu faço é a parte da implementação - as pessoas chegam com dúvidas ou vêm recomendadas por médicos e cada caso é um caso, permitindo-me estudar e aplicar tudo o que posso para ajudar a implementar um novo estilo de vida. Quando começamos bem, gradualmente, as pessoas nunca voltam atrás - vão adoptando novos hábitos, novos alimentos, novos ingredientes de uma forma muito natural."  Até porque a alimentação saudável está a tornar-se cada vez mais global, há cada vez mais (des)informação, e há muitas pessoas que não sabem como adoptar um estilo de vida mais saudável de forma correcta.

Como passa os dias a trabalhar com comida, tenta fazer almoços rápidos. "Tenho o frigorífico cheio de legumes - durante o dia sou vegan ou vegetariana e, quando não sou, tento comer boa proteína. As minhas refeições não têm horas, como quando tenho fome.” Para além de ter eliminado o glúten da sua alimentação, passou a privilegiar ingredientes integrais, adaptando tudo o que faz à cozinha mais tradicional - tenta fazer aquilo que antes fazia mas de uma forma mais saudável, com alimentos que hoje sabe que nos fazem bem e que, por isso, tenta incluir em tudo. 


"Se pudesse voltar atrás, teria começado por estudar nutrição. Mas, se calhar, se tivesse feito isso nunca tinha chegado aqui. O meu percurso trouxe-me aqui - e hoje em dia gosto mesmo do que faço, o que é óptimo e um grande privilégio, e por isso sou muito feliz."

Não é, nem nunca foi, fundamentalista - acredita que é importante excluir da alimentação o que nos adoece, se for caso disso, mas única e exclusivamente nesses casos, e que quando a alimentação compromete outras áreas da nossa vida, como os momentos de lazer ou socialização, deixa de ser saudável para se tornar obsessão. "Quando olham para a comida de tal forma consciente que não saboreiam o que estão a fazer, não se sentam para uma refeição como um acto de prazer, é altura de parar para pensar. As pessoas rotulam-se e depois têm muitas dificuldades em abandonarem esses rótulos."


 

EM DISCURSO DIRECTO

O que nunca falta na despensa? "Legumes, fruta, iogurtes, queijo, ovos, farinhas, leguminosas... Como estou sempre a inventar e não sigo receitas, tento ter sempre coisas preparadas: massas e bases de tartes congeladas, molhos e iogurtes prontos a comer ou misturar."

Pode não ter tempo para mais nada mas nunca abdica de... "Cantar, rir, cozinhar. Anda sempre à volta disto."

O que a inspira? "Na cozinha, bons cozinheiros, a cozinha clássica. E actos. Os actos - ver alguém fazer algo bem feito, algo difícil - inspiram-me mais do que a pessoa em si."

O futuro da alimentação. Agora, em bom. "Precisamos de mais e melhor informação. Começar a formar nas escolas, dar aos miúdos contacto com os ingredientes, ensiná-los a cozinhar, dar-lhes consciência nesse sentido. Ainda se come muito mal nas escolas. Se as pessoas souberem escolher, essas escolhas transformam o mercado."

Planos para o futuro? "Vou lançar um livro no início de outubro, o projecto mais difícil que fiz na minha vida - mais do que ter 4 filhos! Estou a trabalhar nisso de forma intensiva há um ano, mas é algo que já está na minha cabeça há 3 ou 4 anos. Sou perfeccionista, quero fazer algo de que não me vou arrepender ao fim de 10 anos, e um livro é um legado pesado. Acho que as pessoas vão gostar, as fotografias estão lindas! É um livro de receitas que responde a muitas perguntas que recebo habitualmente."




Sofia partilha o seu conhecimento, experiências e projectos no Glúten Free com Paixão e o seu dia a dia no Instagram.

SUN&VEGS

AGORA, EM BOM

Almoçar pode ser apenas mais uma pausa obrigatória a meio do dia ou um momento de partilha, descoberta, prazer. É por isso que convidamos quem nunca para de correr para se sentar, respirar e nos contar tudo - sobre si e sobre a comida que faz bem.

Este site usa cookies para recolher informações que ajudarão a optimizar a tua visita. Consulta as informações sobre o uso de cookies na nossa Política de cookies. Ao continuar a usar o nosso site, aceitarás a nossa política de cookies. ACEITO